Linha de apoio: 707 200 636 (de segunda a sexta, das 8h às 18h)

Para imprimir pressione Ctrl+p ou clique aqui.

Particulares - Perguntas Frequentes

Escolha um tema para ver as perguntas sobre o mesmo.

A medida | O subsídio

Os sistemas solares térmicos

Os fornecedores e os instaladores

A encomenda realizada

IRS e IVA

Instituições - Perguntas Frequentes

Escolha um tema para ver as perguntas sobre o mesmo.

A medida | O subsídio

Os sistemas solares térmicos

Os fornecedores e os instaladores

O projecto e a encomenda

IRS e IVA

Particulares

A medida | O subsídio

  1. A quem se destina esta medida?
    Destinou-se a consumidores particulares, para instalação nas suas residências, principalmente em casas usadas. Topo
  2. Quais os benefícios de ter uma instalação de painéis solares térmicos?
    O primeiro sinal positivo para as famílias que aderirem a esta tecnologia de micro produção de energia é ver a sua conta mensal baixar logo nas primeiras contas de electricidade ou gás, depois da instalação. Um sistema bem dimensionado permite poupar até 70% da energia necessária para o aquecimento de água que usamos em casa. Topo
  3. Quando terei retorno do investimento num painel solar térmico?
    Dependendo da dimensão e do uso da instalação, o painel solar térmico é amortizado entre os 5 e 7 anos. Considerando o incentivo existente, o tempo de retorno poderá ser de apenas 4 a 6 anos. Topo

Os sistemas solares térmicos

  1. Como funciona o sistema termossifão?
    • A radiação solar incide sobre a cobertura de vidro que compõe a parte superior do colector solar, penetrando no interior do painel solar.
    • O calor é transferido para o fluido que circula pela tubagem tornando-se menos denso, subindo do colector para o depósito.
    • A permuta é feita para a água de consumo, o fluido térmico arrefece e desce para os colectores, fechando –se o ciclo.
    • O depósito deve ficar sempre acima dos colectores solares.
    ver foto Topo
  2. Como funciona o sistema de circulação forçada?
    • A radiação solar incide sobre a cobertura de vidro que compõe a parte superior do colector solar, penetrando no interior do painel solar.
    • O calor é transferido para o fluido que circula pela tubagem.
    • O fluido quente, circula em circuito fechado e transfere calor através da serpentina do depósito para a água de consumo.
    • A circulação do fluido é gerida pelo controlador diferencial e pelo grupo de circulação em função das temperaturas medidas.
    Topo
  3. Qual a diferença entre o sistema termossifão e o sistema de circulação forçada?
    O sistema termossifão é composto por um depósito por cima do painel (ver foto), o investimento é mais baixo e a instalação mais simples. Funciona de forma autónoma, sem recurso a bomba auxiliar auxiliar para fazer a circulação do liquido solar. A manutenção é mais simples.
    O sistema de circulação forçada tem um rendimento superior, dado que a gestão da energia é mais eficaz por ser regulada através de um controlador diferencial. Prevê um depósito no interior do edifício (ver foto), pelo que obriga a ter espaço para a colocação do mesmo. Para quem se preocupa com a estética do painel e do edifício, é uma boa solução, dado que possibilita uma melhor integração arquitectónica. Topo
  4. Ainda preciso de gás ou electricidade depois de adquirir um painel solar térmico?
    Sim, mas só como apoio ao sistema solar. O sistema será instalado dando prioridade ao Sol garantindo que toda a energia gratuita é aproveitada permitindo assim que a redução possa atingir os 70% (considerando um ano de utilização) e que durante os meses de Verão a energia de apoio (gás ou electricidade) não seja sequer consumida.

    Os sistemas de campanha prevêm duas formas possíveis de funcionamento:
    • Modo independente: necessita de uma resistência eléctrica que actua sempre que fôr necessário compensar o aquecimento de água quente por falta de energia solar. Ex: em dias de maior nebulosidade, ou precipitação.
    • Modo complementar / híbrido obriga à instalação de um módulo solar que, por meio de uma válvula redirecciona a água para o equipamento alternativo ou directamente para a canalização (mediante a temperatura que se registar no sistema solar). O custo resultante desta interligação será meramente o consumo de energia alternativo quando utilizado.
    Topo
  5. Se tiver um painel solar térmico, deixo de ter custos com água quente no futuro?
    O sistema termossifão 200l e 300l, permitem poupar até 70% dos custos para preparar a água quente. Não é totalmente isento de custos, dado ter que instalar o sistema solar, mas reduz significativamente os custos da energia para aquecimento da água, uma vez que a energia do Sol é gratuita. A recuperação do custo da instalação é feita com as poupanças de energia ao longo de poucos anos. Topo
  6. Durante o Inverno, se a temperatura da água quente do painel solar térmico não for suficiente, posso usar o meu esquentador actual para garantir o resto do aquecimento?
    Sim, o sistema será instalado prevendo essa situação através da instalação de um módulo solar, e o esquentador entrará em funcionamento automaticamente gastando apenas o gás necessário em cima da água pré-aquecia, para atingir a temperatura pretendida. Topo
  7. Em dias com pouco Sol ou no Inverno os paineis solares térmicos funcionam?
    Sim. Em média, a energia solar disponível no Inverno fornece cerca de 60% das necessidades. Quando não há Sol suficiente, o sistema de apoio entra em funcionamento. Topo
  8. Quanto tempo leva uma instalação?
    Tempo de instalação de um Termossifão: 48h.
    Tempo de instalação de um Circulação Forçada: 72h. Topo
  9. Só posso colocar os colectores no telhado?
    Não. Há outros locais possíveis (terraços, chão/locais sem sombras). Topo
  10. Qual o tempo de vida dos painéis solares térmicos?
    Os sistemas solares térmicos são feitos para durar cerca de 20 anos com poupança de energia, cuidando do ambiente. Contudo, necessitam de uma manutenção preventiva anual, para que durem o tempo previsto sem perderem eficiência. Topo
  11. Pode ser utilizado em conjunto com outro equipamento (esquentador, termoacumulador, caldeira)?
    Pode e deve ser utilizado com uma segunda fonte de calor, funcionando assim como um sistema híbrido. Topo
  12. Não tenho nenhum equipamento. O painel solar térmico é autónomo?
    Sim, poderá ser instalado com uma resistência eléctrica, dando assim garantia de água quente. Topo
  13. Deve ser instalado no Verão ou no Inverno?
    Pode ser instalado em qualquer estação, sendo que as instalações de Inverno poderão ser mais demoradas dados os períodos de chuva. Topo
  14. Se tiver sombras (ex: árvores) em frente à casa devo instalar um painel solar térmico?
    Sim, desde que a sombra cubra o painél apenas nas duas primeiras horas a seguir ao nascer do sol ou apenas nas duas últimas horas antes do por do sol. Topo
  15. Qual a influência dos painéis solares térmicos nos certificados energéticos?
    Uma habitação com painéis solares térmicos tem melhores condições de obter um bom resultado numa certificação energética do que uma equivalente mas sem colectores. Topo
  16. Os painéis solares térmicos são certificados?
    Todos os equipamentos estão devidamente certificados pela SolarKeymark de acordo com as exigências internacionais. Topo
  17. A solução apresentada inclui manutenção?
    A manutenção preventiva está garantida durante o período de garantia (6 anos). Topo
  18. O equipamento pode ser usado também para o aquecimento central?
    Não é aconselhada a instalação de colectores solares térmicos como apoio ao aquecimento central. A dimensão dos equipamentos propostos no presente programa não é suficiente para dar resposta a um sistema de aquecimento central. Estes sistemas apenas se adaptam a águas quentes sanitárias, foi para esse fim que foram desenvolvidos. Não é aconselhado, portanto, o uso de sistemas solar térmicos no presente programa pelas seguintes razões:
    • As necessidades de aquecimento para águas sanitárias ronda os 45º e geralmente para os aquecimentos centrais a necessidade térmica é muito superior a esta podendo chegar a 70º. Sendo, portanto, muito mais exigente termicamente um sistema de aquecimento central do que as águas sanitárias.
    • A poupança em gás (ou outro combustível) que uma instalação solar obtem pode chegar aos 75% quando considerado um ano inteiro em que no período de Verão a água aquece só com Sol, uma vez que é nesta altura que a radiação solar é mais forte. Um sistema de aquecimento central é mais exigente termicamente e é geralmente usado quando a radiação solar é mais fraca, não se conseguindo tirar tanto partido do sistema.
    Contudo, se mesmo assim desejar investir na solução conjunta (Instalação Solar + Aquecimento Central) poderá sempre recorrer a um projectista solar (não incluído neste programa, e que será o técnico mais indicado para fazer a referida interligação dos dois sistemas) para verificar se a instalação é viável ou não, pois este irá ter em linha de conta com uma série de factores:
    • Orientação e inclinação dos colectores solares, uma vez que o objectivo é uma utilização de Inverno a situação que maximiza a produção de água quente será: 50º de inclinação e orientação a Sul (no Inverno os desvios de orientação e inclinação provocam perdas de rendimento superiores às outras estações do ano).
    • Dimensão das zonas a aquecer - planta da casa e altura dos vários compartimentos
    • Nº de Módulos instalados - geralmente cada radiador tem vários módulos.
    • Dimensão dos módulos instalados - a potência varia em função da dimensão.
    • Utilização - Se estão todos os compartimentos da casa a ser utilizados ou só há necessidade de utilizar uma parte.
    Em função do cálculo anterior obtém-se uma necessidade térmica que será dada por área de painel e um volume de água para acumular energia nas horas de Sol. Findo o cálculo é feita uma lista de equipamento cujo preço deverá ser inferior a 8-10 anos de combustível para aquecimento (o que muitas vezes é difícil de alcançar).
    Resumindo, o presente programa não se adapta a este tipo de soluções (aquecimento central), uma vez que as áreas de painel e os volumes de água considerados são francamente insuficientes para sistemas de aquecimento central, e por outro lado, a um instalador (incluído nesta campanha) pode ser exigido que a montagem seja perfeita mas não que faça cálculos de consumo de energia em função da área. Topo
  19. Como é que sei se tenho espaço suficiente para a colocação do depósito?
    O espaço disponível para instalação do depósito no Sistema de Circulação Forçada deverá ter 2,5m2 com 2m de altura. Topo
  20. O que é o módulo solar? Qual a vantagem do mesmo?
    É uma solução universal que torna compatível o funcionamento dos sistemas de aquecimento com os painéis solares térmicos, permitindo gerir a temperatura da água quente dando sempre prioridade ao Sol, maximizando, desta forma, a poupança e ajudando o ambiente. Topo
  21. O que é que inclui a visita para manutenção anual dos produtos?
    • Limpeza dos colectores.
    • Verificação do circulador.
    • Afinação do caudal e pressão do circuito solar.
    • Verificação do vaso de expansão.
    • Ajuste de pré-carga (se necessário).
    • Verificação da concentração de fluido anti gelo.
    • Verificação do Ph do fluido anti-gelo.
    • Verificação do estado da estrutura.
    • Verificação dos elementos de segurança dos colectores e grupo de circulação.
    • Verificação das sondas de temperatura da instalação e do colector.
    • Verificação visual do depósito instalado (Água quente sanitária).
    • Verificação do ânodo de magnésio do depósito (Água quente sanitária).
    • Verificação da válvula de segurança, (Água quente sanitária).
    • Verificação e regulação da válvula misturadora termostática, (Água quente sanitária).
    • Renovação, se necessário, do líquido solar no circuito ou reposição da pressão no circuito fechado
    • Purgar colectores e grupo de circulação.
    • Verificação do bom funcionamento de relógios, termóstatos e programadores.
    • Mão-de-obra necessária à substituição de peças.
    • Fornecimento de juntas, se for necessário devido às operações de manutenção.
    • Inspecção visual da instalação solar.
    Topo
  22. Os sistemas solares térmicos usam tubos de vácuo?
    Actualmente os sistemas são apenas com painéis planos, estando previstos sistemas com tubos de vácuo. Topo
  23. A capacidade de 200L ou 300L é diária?
    Sim, a capacidade é diária. Topo
  24. É possível o depósito de "circulação forçada" ficar deitado?
    Não, o depósito de circulação forçada deverá ficar em pé. Topo
  25. Qual o tempo de reposição da água quente num depósito de 300 L do sistema Termossifão?
    (Ex :banhos da família às 8 horas da manhã, qual a situação no final dia)
    O tempo de reposição de água quente no sistema de Termossifão de 300L irá depender dos niveis solares, do dia do ano e das condições climatéricas, isto contando apenas com a energia solar. No entanto é necessário ter um sistema de apoio, e se este sistema de apoio for gás (esquentador, caldeira ou termoacumulador) terá sempre agua quente qualquer que seja a hora do dia pois se a a água no depósito não tiver temperatura suficiente esta é aquecida instântaneamente pelo equipamento de apoio (solução com Módulo Solar).

    Na solução com resistencia electrica no depósito tem um tempo de reposição de cerca de 3 a 4 horas, aquecendo a água dos 0ªC a 60ºC. (situação extrema). Topo
  26. Posso instalar o sistema solar térmico independentemente da orientação da minha casa?
    Poderá ser sempre instalado, sendo que as instalações previstas no sistema são para orientação entre sudeste e sudoeste. Para situações em que a orientação está fora da pré-definida deverá o cliente entrar em acordo com o instalador para colocação de uma estrutura adicional. Topo
  27. O sistema auxiliar de aquecimento (caldeira, esquentador ou outro) terá de ser obrigatoriamente de gás natural ou tb pode ser a gasóleo ou gás butano?
    Os sistemas solares térmicos que fazem parte da presente campanha adaptam-se a todos os sistemas de apoio, que recorram ao gás natural ou a qualquer outro. Topo
  28. Algum dos painéis está disponível com estrutura adaptável numa parede vertical da casa?
    Não. É possível fazê-lo, mas terá de ser verificado pelo instalador, na altura da visita prévia à instalação. Poderá ser necessária a apresentação de um orçamento para adaptar os painéis (ou painel) numa parede vertical. Topo
  29. O depósito termossifão de 300l trás serpentina de forma a poder utilizar uma caldeira a lenha (ou outra) para aquecer água nos meses de Inverno? Tem que se adquirir essa serpentina extra ou algum tipo de acessório para que tal seja possivel?
    O depósito de Termossifão não inclui qualquer permutador de serpentina logo não poderá ser ligado directamente a uma segunda fonte de calor. Terá de ser verificado na altura da visita prévia, a ser feita pelo instalador, se existe a possibilidade de fazer algum tipo de ligação ao Sistema de apoio já existente, se for possível será feita a orçamentação dos equipamentos necessários para essa ligação assim como da sua instalação (será um valor extra que não se encontra ao abrigo do projecto). Topo
  30. O “módulo solar” adapta-se a qualquer tipo de esquentador?
    O Módulo Solar é universal, logo irá adaptar-se a qualquer tipo de esquentador. Topo
  31. Se instalar um sistema de circulação forçada, tenho de instalar, adicionalmente, um segundo vaso de expansão (sanitário)?
    Não tem que instalar. Este acessório (extra sistema) poderá ser recomendado dado que compensa no caso de haver grandes variações de temperatura, ajudando a equilibrar as pressões em todo o sistema. A sua instalação é uma opção do cliente. Topo

Os fornecedores e os instaladores

  1. Os instaladores que irão proceder à instalação são certificados?
    Todos os instaladores responsáveis pela instalação dos equipamentos disponíveis, possuem certificado de aptidão profissional (CAP) reconhecido pela Direcção Geral de Energia e Geologia. Topo
  2. Quanto tempo demora uma instalação de um sistema?
    A instalação é da responsabilidade do fabricante, cabendo a este a contratação de um instalador certificado, de acordo com a bolsa de instaladores própria. Se o instalador trabalhar com a marca pretendida pelo cliente, o mesmo deverá falar com a marca, de forma a verificar a possibilidade de fazer a instalação desse cliente. Topo
  3. Qual o prazo de garantia?
    O prazo de garantia para todos os sistemas será de 6 anos para o colector solar, depósito e módulo solar. Topo
  4. Com quem é efectuado o contrato de manutenção (referente aos 6 anos de garantia dos equipamentos)?
    O contrato é celebrado com o instalador, aquando da instalação do equipamento na casa do cliente. Topo
  5. Quem fará a manutenção passados os 6 anos de garantia?
    Os fabricantes terão equipas próprias de Manutenção que farão as intervenções, que poderão assegurar o prolongamento do período. Topo

A encomenda realizada

  1. Até quando poderá ser concluída a instalação dos equipamentos?
    A instalação dos equipamentos poderá ser prolongada até 30 de Junho de 2010. Topo
  2. Como é que sei qual a minha data de instalação?
    O instalador entrará em contacto para agendamento da data de instalação. Nos períodos de chuva, não é possível efectuar instalações pelo facto de não existirem condições de segurança para subir aos telhados e instalar os painéis dado estes encontrarem-se molhados, com geada, musgo, etc. Topo
  3. Posso desmarcar a instalação e marcar nova data?
    Sim, no entanto as instalações são agendadas por ordem de entrada das encomendas, pelo que a nova marcação ficará no final da lista de agendamentos. Para saber qual a data agendada para a instalação, poderá deslocar-se ao seu banco ou ligar para 707 200 636. Topo
  4. Caso a empresa instaladora verifique que o equipamento encomendado não é o adequado para a residência do cliente qual o procedimento? A encomenda que foi inicialmente submetida pode ser cancelada e alterada?
    Caso o sistema não seja adequado, poderá ser alterada a encomenda. Topo
  5. Posso cancelar a encomenda?
    Sim, até 7 dias antes da data de instalação, sem qualquer custo. Topo
  6. No caso de haver cancelamento (por o cliente não ter condições de instalação), quando será devolvido o dinheiro ao cliente?
    O dinheiro será devolvido no prazo máximo de 72 horas. Topo

IRS e IVA

  1. Qual o IVA para os painéis solares térmicos?
    De acordo com a Lei nº 109-B/2001, de 27 de Dezembro, os equipamentos específicos para a captação e aproveitamento da energia solar estão sujeitos à taxa intermédia de 12%. Topo
  2. Estão previstos benefícios fiscais no IRS?
    Sim, estão previstos benefícios fiscais no IRS 2009. São dedutíveis à colecta, desde que não susceptíveis de serem considerados custos na categoria B, 30% das importâncias dispendidas com a aquisição de equipamentos solares novos, com o limite máximo de 796€. Esta informação não dispensa a consulta do código do IRS. Este benefício é cumulativo com outros benefícios que o cliente tenha (ex. crédito habitação). A factura só será emitida e enviada para o cliente após a instalação do sistema solar térmico. Para facturas emitidas em 2010 não é possível garantir benefícios fiscais no IRS 2010. Topo
  3. Um casal (que apresenta declaração de IRS em conjunto) pode comprar 2 sistemas solares térmicos?
    Cada elemento do casal poderá comprar um sistema solar térmico, desde que não seja para a mesma habitação/casa. Relativamente à dedução no IRS, se a fazem conjuntamente, só poderão declarar um equipamento. Topo
  4. Um contribuinte pode fazer a dedução fiscal no seu IRS da compra de um equipamento solar térmico para uma matriz predial que não lhe pertence (por ex. o filho compra para a casa dos pais)?
    O beneficiário poderá não corresponder ao dono da casa. Não existe qualquer restrição neste sentido. Topo
  5. Um cliente que adquira os painéis solares fora da campanha pode também ter benefícios fiscais no IRS?
    A dedução no IRS é válida para outros equipamentos de energias renováveis, mesmo que sejam adquiridos fora da campanha.
    A comparticipação do Estado é que só será atribuída aos clientes que comprarem ao abrigo da campanha. Os equipamentos e fornecedores seleccionados cumprem uma série de requisitos que visam disponibilizar uma sistema “chave-na-mão”, com uma excelente relação preço-qualidade e que inclui instalação e manutenção. Topo

Instituições

A medida | O subsídio

  1. A quem se destinou o alargamento da medida?
    O alargamento destinou-se a Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) e Associações Desportivas de Utilidade Pública, com o objectivo de apoiar a instalação de sistemas solares térmicos para a produção de águas quentes sanitárias (banhos e cozinhas) ou o aquecimento de água de piscinas. Estes sistemas deverão produzir energia que supere 55 a 75% das necessidades energéticas previamente existentes. Topo
  2. Qual a data limite de candidatura à medida?
    São aceites candidaturas de instituições cujos pedidos de estudo tenham sido submetidos até 31 de Dezembro de 2009. Topo
  3. Quais os incentivos desta medida?
    Comparticipação do Estado a fundo perdido de 65% do investimento associado (65% sobre a proposta adjudicada num máximo de 65% da proposta com melhor avaliação técnica e económica), com o limite máximo de comparticipação, por Entidade/NIF, de 500.000,00 € (IVA incluído).
    Disponível também, condições especiais de financiamento para o valor do investimento a suportar pela Entidade (IVA incluído), nos Bancos aderentes.
    Para a candidatura à medida, foi necessário submeter um pedido de estudo até 31 de Dezembro de 2009. Posteriormente, e após a recepção das propostas do pedido de estudo, terá o prazo de 1 mês para formalizar a encomenda. A comparticipação do Estado será atribuída por rigorosa ordem de entrada de encomendas, limitada ao plafond previsto pelo Estado para a medida (particulares + instituições), num total de 95 Milhões de Euros. No caso do plafond esgotar, os clientes, com encomendas submetidas, serão devidamente informados. Topo
  4. Como uma instituição sabe se é elegível para a medida?
    • Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS): A definição geral de IPSS consta no Artigo 1º do DL 119/83. As IPSS registadas são as que possuem o estatuto de utilidade pública (Artigo 8º do DL 119/83), recebendo da Direcção-Geral da Segurança Social um ofício e uma declaração própria, bem como uma cópia dos estatutos devidamente autenticada. Uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) de registo recente poderá não constar das listagens apresentadas no site www.paineissolares.com.ptpois estas não sofrem actualizações diárias. Para mais informações poderá visitar: http://www1.seg-social.pt/left.asp?01.03
    • Associações Desportivas de Utilidade Pública: São consideradas nesta designação as federações desportivas e as associações de carácter desportivo que possuem o estatuto de utilidade pública concedido por S. Exa. o Primeiro-Ministro e objecto de despacho publicado no Diário da República (II Série), bem como as federações desportivas que tenham obtido o estatuto de utilidade pública desportiva de acordo com o Decreto-Lei n.º 144/93, de 26 de Abril. O estatuto de mera utilidade pública é regulado pelo Decreto-Lei n.º 391/2007, de 13 de Dezembro, tendo o Decreto-Lei n.º 52/80, de 26 de Março, transferido competências para as Regiões Autónomas, no seu âmbito territorial. Para mais informações consultar: http://www.sg.pcm.gov.pt/pcups.asp
    Topo
  5. Quais os requisitos que as instituições terão de comprovar para se candidatarem à medida?
    • A qualidade de proprietário, ou outra qualidade que legitime a intervenção nos imóveis em que serão instalados os sistemas solares;
    • A constituição do direito de superfície ou a detenção de licença ou concessão de utilização do domínio público, em todas as situações por período não inferior a 10 anos.
    Topo
  6. A comparticipação tem um valor fixo?
    O valor da comparticipação será de 65% sobre a proposta adjudicada num máximo de 65% da proposta com melhor avaliação técnica e económica, dando a liberdade ao cliente (instituição) de optar entre as 3 melhor classificadas que lhe forem apresentadas. Topo

Os sistemas solares térmicos

  1. Qual a diferença entre os painéis solares térmicos e os fotovoltaicos?
    Os painéis solares térmicos transformam a radiação solar directamente em energia térmica para o aquecimento de águas ou outros fins; os fotovoltaicos, convertem a energia solar directamente em corrente eléctrica. Topo
  2. Quais os benefícios de ter uma instalação de painéis solares térmicos?
    O primeiro sinal positivo para as instituições que aderirem a esta tecnologia de micro produção de energia é ver a sua conta mensal baixar logo nas primeiras contas de electricidade ou gás, depois da instalação. Um sistema bem dimensionado permite poupar até 70% da energia necessária para o aquecimento de água que é usada. Topo
  3. Com painéis solares térmicos a empresa deixa de ter custos com água quente no futuro?
    Não, contudo os custos de água quente podem baixar entre 55 e 75%. Topo
  4. Durante o Inverno, se a temperatura da água quente do painel solar térmico não for suficiente, podemos usar o equipamento actual (esquentador/caldeira) actual para garantir o resto do aquecimento?
    Sim, o sistema será instalado prevendo essa situação através da instalação de um módulo solar, e o esquentador entrará em funcionamento automaticamente gastando apenas o gás necessário em cima da água pré-aquecia, para atingir a temperatura pretendida. Topo
  5. Se tiver um painel solar térmico, deixo de ter custos com água quente no futuro?
    O sistema termossifão 200l e 300l, permitem poupar até 70% dos custos para preparar a água quente. Não é totalmente isento de custos, dado ter que instalar o sistema solar, mas reduz significativamente os custos da energia para aquecimento da água, uma vez que a energia do Sol é gratuita. A recuperação do custo da instalação é feita com as poupanças de energia ao longo de poucos anos. Topo
  6. Em dias com pouco Sol ou no Inverno os painéis solares térmicos funcionam?
    Sim. Em média, a energia solar disponível no Inverno fornece cerca de 60% das necessidades. Quando não há Sol suficiente, o sistema de apoio entra em funcionamento. Topo
  7. Os colectores só podem ser colocados no telhado?
    Não. Há outros locais possíveis (terraços, chão/locais sem sombras). Topo
  8. Pode ser utilizado em conjunto com outro equipamento (esquentador, termoacumulador, caldeira)?
    Pode e deve ser utilizado com uma segunda fonte de calor, funcionando assim como um sistema híbrido. Topo
  9. Deve ser instalado no Verão ou no Inverno?
    Pode ser instalado em qualquer estação, sendo que as instalações de Inverno poderão ser mais demoradas dados os períodos de chuva. Topo
  10. Qual o tempo de vida dos painéis solares térmicos?
    Os sistemas solares térmicos são feitos para durar cerca de 20 anos, com poupança de energia e cuidando do ambiente. Contudo necessitam de uma manutenção preventiva anual, para que durem o tempo previsto sem perderem eficiência. Topo
  11. Os projectos apresentados incluem manutenção?
    Os projectos incluem garantia de 6 anos e manutenção preventiva anual no mesmo período. Topo
  12. O que é que incluirá a visita para manutenção anual dos produtos?
    • Limpeza dos colectores.
    • Verificação do circulador.
    • Afinação do caudal e pressão do circuito solar.
    • Verificação do vaso de expansão.
    • Ajuste de pré-carga (se necessário).
    • Verificação da concentração de fluido anti gelo.
    • Verificação do Ph do fluido anti-gelo.
    • Verificação do estado da estrutura.
    • Verificação dos elementos de segurança dos colectores e grupo de circulação.
    • Verificação das sondas de temperatura da instalação e do colector.
    • Verificação visual do depósito instalado (Água quente sanitária).
    • Verificação do ânodo de magnésio do depósito (Água quente sanitária).
    • Verificação da válvula de segurança, (Água quente sanitária).
    • Verificação e regulação da válvula misturadora termostática, (Água quente sanitária).
    • Renovação, se necessário, do líquido solar no circuito ou reposição da pressão no circuito fechado
    • Purgar colectores e grupo de circulação.
    • Verificação do bom funcionamento de relógios, termóstatos e programadores.
    • Mão-de-obra necessária à substituição de peças.
    • Fornecimento de juntas, se for necessário devido às operações de manutenção.
    • Inspecção visual da instalação solar.
    Topo
  13. O sistema solar térmico pode ser instalado independentemente da orientação da casa/pavilhão/clube?
    Poderá ser sempre instalado, sendo que as instalações previstas no sistema são para orientação entre sudeste e sudoeste. Topo

Os fornecedores e os instaladores

  1. Os instaladores que irão proceder à instalação são certificados?
    Todos os instaladores responsáveis pela instalação dos equipamentos disponíveis, possuem certificado de aptidão profissional (CAP) reconhecido pela Direcção Geral de Energia e Geologia. Topo
  2. Quanto tempo demora uma instalação de um sistema?
    A instalação é da responsabilidade do fabricante, cabendo a este a contratação de um instalador certificado, de acordo com a bolsa de instaladores própria. Se o instalador trabalhar com a marca pretendida pelo cliente, o mesmo deverá falar com a marca, de forma a verificar a possibilidade de fazer a instalação desse cliente. Topo
  3. Qual o prazo de garantia?
    O prazo de garantia para todos os sistemas será de 6 anos para o colector solar, depósito e módulo solar. Topo
  4. Quando é feita a consulta ao mercado, é feita ao fabricante e este é que terá a responsabilidade de elaborar um projecto e seleccionar um instalador?
    A consulta será feita ao fabricante/marca que terá de se “articular” com o instalador. A responsabilidade de apresentar o projecto é do fabricante/marca. Topo
  5. Com quem é efectuado o contrato de manutenção (referente aos 6 anos de garantia dos equipamentos)?
    O contrato é celebrado com o instalador, aquando da instalação do equipamento no imóvel do cliente. Topo
  6. Quem fará a manutenção passados os 6 anos de garantia?
    Os fabricantes terão equipas próprias de Manutenção que farão as intervenções, que poderão assegurar o prolongamento do período. Topo

O projecto e a encomenda

  1. Quais as etapas de todo o processo para a instalação de sistemas solares térmicos, para a produção de águas quentes sanitárias (banhos e cozinhas) ou o aquecimento de água de piscinas, numa instituição?
    • Pedido de estudo:
      • Pedido de estudo – Instituição solicita pedido de estudo junto de um banco aderente à campanha;
      • Recolha de informação – ISQ desloca-se à instituição e efectua descrição técnica da Instalação, considerando as necessidades energéticas. Informação é enviada aos fornecedores seleccionados para que efectuem proposta;
      • Realização de proposta – Fornecedores indicados pela instituição efectuam proposta. Durante esta fase os fornecedores poderão contactar a instituição para efectuarem uma visita;
      • Avaliação de propostas – Comissão de Avaliação da Medida Solar Térmico avalia as propostas técnica e economicamente;
      • Envio das 3 propostas, melhor classificadas técnica financeiramente, para o cliente e para o banco.
      • Nota: Os pedidos de estudo poderão ser submetidos até ao dia 31 de Dezembro de 2009.

      Nota: Os pedidos de estudo poderão ser submetidos até ao dia 31 de Dezembro de 2009.

    • Encomenda:
      • Encomenda – Instituição adjudica proposta deslocando-se ao banco e efectuando encomenda;
      • Projecto de execução – Definição do projecto, manual de funcionamento e programa de manutenção;
      • Análise projecto – Análise do projecto de execução, com o apoio da Comissão de Avaliação Técnica;
      • Instalação do Equipamento. Prazo: Até 6 meses, dependendo da complexidade de cada projecto.

      Nota: Prazo para formalização da encomenda de 1 mês após o envio da proposta da YUNIT (Pmelink), resultante do pedido de estudo. A comparticipação do Estado será atribuída por rigorosa ordem de entrada de encomendas, limitada ao plafond previsto pelo Estado para a medida (particulares + instituições), num total de 95 Milhões de Euros. No caso do plafond esgotar, os clientes, com encomendas submetidas, serão devidamente informados.

    Topo
  2. Em que consiste o “Pedido de Estudo”?
    O pedido de estudo, solicitado pela a IPSS/ Clube através do banco, consiste no pedido de uma pré-visita para levantamento de requisitos. O ISQ será a entidade responsável por fazer o levantamento das necessidades da instituição. A instituição terá de seleccionar, no mínimo, 6 fornecedores para a apresentação de proposta. Os requisitos serão apresentados aos fornecedores seleccionados pela IPPS/Clube, que após uma visita às instalações apresentará uma proposta/projecto.
    Ao longo do processo as entidades beneficiárias serão responsáveis pela escolha dos fornecedores a consultar, pela análise das propostas alternativas com assessoria da YUNIT (Pmelink) e finalmente pela decisão de adjudicação.
    A entidade pagará 120+IVA pelo pedido de estudo, sendo este valor devolvido na adjudicação. Topo
  3. Quantos pedidos de estudo pode uma instituição solicitar?
    Uma instituição pode solicitar os pedidos de estudo que pretender. Deve ser solicitado um pedido de estudo por imóvel, mesmo para os imóveis contíguos. Se a distribuição de água quente for independente para cada um, irá exigir que sejam efectuados estudos distintos pois terá que ser considerado para cada um deles os seus consumos, área disponível, depósitos, tubagem, acessórios etc... Topo
  4. É possível solicitar um pedido de estudo para um imóvel que se encontra em fase de construção?
    Não, a submissão de um pedido de estudo implica o imediato levantamento das necessidades energéticas, não sendo possível se o edifício ainda não estiver concluído. Topo
  5. Qual o tipo de levantamento efectuado pelo ISQ?
    • Registo de facturas do último ano.
    • Análise à instalação existente – depósitos, caldeiras, bombas de circulação, espaço disponível, sistema de aquecimento, existência de retorno, etc.
    • Caracterização das acções a realizar – Local p/ colocação de colectores, orientação, sombreamentos, tipo de cobertura, tipo de estrutura de telhado, acessos.
    • Dados de dimensionamento – Consumo médio, nº de ocupantes, perfil de consumo, nº de banhos, existência de lavandaria, picos de consumo, períodos de férias, utilização aos fins de semana, distância à zona técnica, necessidades de construção civil, tubagem exterior ou interior.
    Topo
  6. Quantas propostas serão apresentadas?
    Serão seleccionadas as 3 propostas melhor qualificadas (serão avaliadas técnica e economicamente pela YUNIT (Pmelink) e pela Comissão de Avaliação da Medida Solar Térmico) e enviadas para o cliente e para o banco. Topo
  7. Podemos cancelar a encomenda?
    Uma vez adjudicada a encomenda, esta não poderá ser cancelada por se tratar de um projecto à medida, para o qual têm que ser encomendados materiais específicos e realizados estudos e projectos prévios que acarretam custos elevados.
    Em caso de cancelamento de uma encomenda, o que só é admitido em caso de força maior, a instituição não tem direito ao reembolso do valor pago no momento da adjudicação e, caso tenha recorrido a financiamento, ficará na mesma com o ónus do respectivo crédito. Topo
  8. É possível efectuar um pedido de estudo num banco e a encomenda posteriormente noutro?
    Sim. A instituição pode colocar o pedido de estudo e a encomenda em bancos diferentes, ou seja, o banco onde colocou o pedido de estudo pode ser diferente do banco onde vai colocar a encomenda. Topo
  9. Até quando poderá ser concluída a instalação dos equipamentos?
    A instalação dos equipamentos poderá ser concluída até 30 de Junho de 2010. Topo

IRS e IVA

  1. Qual o IVA para os painéis solares térmicos?
    O IVA dos painéis solares térmicos é de 12%. Topo

powered by YUNIT